Total de visualizações de página

segunda-feira, 7 de março de 2011

Carnaval

Amando meus inimigos!


A verdadeira atitude de um verdadeiro servo do Eterno!

Por muitos anos, antes de minha conversão, eu vivia nos bailes da vida, de carnaval em carnaval. E quando eu realmente me converti, na década de 90, mais exatamente no ano de 1998, eu larguei toda esta fase foliã de minha vida.

Por anos eu amaldiçoei o carnaval. Por anos eu criticava e me enfurecia contra todo aquele movimento carnavalesco que se iniciava sempre antes do natal e só terminava após o sábado seguinte ao carnaval.

Enfurecia-me mais ainda ao ver que um dos blocos que foi criado no meu último ano de folião crescia e crescia a cada ano. Junte a este o tempero vil da ingratidão ao Eterno daqueles que foram alcançados por Ele, subiram no altar em adoração e tornaram as costas ao Senhor para voltar ao palco da vida carnavalesca. Trocando o altar do Eterno pelo altar do Egocentrismo e do amor ao prazer pessoal. Como diria Salomão o rei: Tudo é vaidade, tudo é vazio!

Mas ao passar e amadurecer de minha conversão, o que eu chamo carinhosamente de desenvolvimento de minha salvação, percebi que de nada adiantava o meu ódio e meu repúdio a todos os que se envolviam nesta festa cultural não bíblica e tão pouco santa. Percebi, sim! Que devemos nos posicionar contrários aos nossos sentimentos de repúdio àqueles que estão envolvidos nesta pseudo-alegria que é temporária e de forma surpreendente a nós mesmos não ao Senhor, porque este não se deixa surpreender, invertemos nossos sentimentos em orações intercessórias com o objetivo de abençoar a todos eles.

Soará estranho o que falarei, mas experimentei de forma pessoal o fruto deste amor e oração respondido pelo Eterno. Enquanto eu orava ao Senhor para acabar com a escola de samba de minha rua, mais eu a via crescer, mas quando decidi mudar o meu foco em oração de amor e bênçãos aconteceu algo tremendo.

Vale ressaltar que todas as vezes que a escola vencia ou estava na segunda posição, o carnaval durava o ano inteiro. Eu precisava lutar contra aquelas canções, se é que pode ser chamada de canções, que batiam em minh’alma entrando em minhas entranhas racionais levando-me a memorizá-las inconscientemente e contra a minha própria vontade.

O que ocorreu de tremendo? Você pode estar se perguntando. A escola caiu do nível especial para o nível b, pessoas envolvidas começaram a se converter, e o suplício de 12 meses de samba na cabeça diminui para apenas três ou quatro meses. O que eu creio é que se eu continuar a orar aquele lugar onde vidas se degeneram em bebedeiras, promiscuidade e entorpecimentos se tornará em casa de oração e adoração ao único que é digno, Adonay!

Continuo orando para que toda a escola seja abençoada pelo Senhor. Porque a benção do Senhor não traz confusão, ela traz primeiro a sua presença, e onde há a presença do Eterno, ali há a libertação de um povo.

Amemos nossos inimigos orando para que sejam abençoados em tudo o que fazem!

Ao Eterno a glória em nome de Yeshua!

Shalom em todos

Everson Tavares, diácono. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário