Total de visualizações de página

terça-feira, 15 de janeiro de 2013

Atletas de Cristo!


 http://www.federacaogauchashidokan.com.br/historia-karate-shidokan.html

Ontem, dia 15 de Janeiro, retornei aos treinos de Karatê Shidokan e como sempre, vejo Deus agindo em cada detalhe da minha vida. Ali treinando, suando, sentindo dores, mas perseverando pude terminar um treino de 1 hora de duração, das 22 horas até às 23 horas, agradecendo ao Senhor pela oportunidade de estar de pé e praticar algo do qual gosto muito.

Ao chegar em casa, veio a mim a seguinte passagem:

 Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé. 

2 Timóteo 4:7

Isso mesmo, esta passagem veio a mim logo que cheguei em casa. E então, comecei a traçar um paralelo entre ser um atleta e ser um servo do Senhor Jesus.

Quando eu treino, eu passo por uma série de movimentos difíceis de produzir por um novato. Como graduado, faixa preta, sou mais exigido, o treino passa a ser mais puxado. Logo, preciso de uma boa alimentação que me garantirá energia suficiente para desenvolver meu treino. Preciso também de direcionamentos para melhorar meu desempenho como um graduado e por fim preciso ter uma mente focada e determinada a não desistir no meio o próximo ao fim da jornada de chutes e socos frente a frente ao meu companheiro de treino.

Ao levar isso para a vida cristã, vejo exatamente o mesmo sentido de existência da fé no nosso desenvolvimento como um servo de Cristo. 

Ao sermos chamados pelo Senhor, começamos nossa jornada rumo a maturidade cristã. Precisaremos de Palavra, de oração e de perseverança na caminhada

Assim como é impossível ter um bom treino com uma alimentação de baixo valor nutritivo, assim também é impossível viver uma vida saudável cristã com alimentos de pouca profundidade em Cristo. Pregações de auto ajuda, de triunfalismo não levam a pessoa a uma condição de enfrentar de forma madura os intempéries da vida. Pouco estudo da Palavra, quase zero de meditação nas Escrituras e nenhuma oração levam o indivíduo ao fracasso no combate, a vida.

E por falar em oração, como aprender a utilizar de técnicas e aprimorar o nosso desenvolvimento se não há oração em nossas vidas, e mais, a oração deve ser segundo as Escrituras, como disse Jesus:

Se vós estiverdes em mim, e as minhas palavras estiverem em vós, pedireis tudo o que quiserdes, e vos será feito.
Nisto é glorificado meu Pai, que deis muito fruto; e assim sereis meus discípulos.
Como o Pai me amou, também eu vos amei a vós; permanecei no meu amor. 
João 15:7-9

Oração sem que a Palavra e o Amor do Senhor estejam em nós não é oração é qualquer outra coisa, menos oração.

Então, não há como sobreviver se enfrentarmos o combate se não estivermos bem suplementados e alimentados e orientados. E claro, existe o diferencial na vida do atleta em relação ao indivíduo comum: PERSEVERANÇA! 

Não fomos chamados por Deus para desistir, para pararmos, assim como no treino ou na luta, eu preciso dar o meu melhor, e mesmo quando já não aguento mais, e o meu corpo esteja suplicando uma pausa ou parada total, o meu cérebro está dizendo: KEEP GOING! CONTINUEM! VAMOS, VAMOS, VAMOS! Ou seja, há dentro de nós uma voz que insiste em nos empurrar para frente, nos impulsionando a continuar. Esta voz é o Espírito Santo nos dizendo para não parar, nos falando para prosseguir até o alvo: AGRADAR AO SENHOR!

Na nossa conversão, começamos com a faixa branca, o treino é mais leve, a exigência menor, mas ao caminharmos para a graduação, existem os exames de faixa, os desafios, as provações. Estas provações, se estivermos preparados, suportaremos e ultrapassaremos o desafio, vencendo e prosseguindo para o próximo desafio, próxima provação, até que cheguemos a faixa preta e sejamos aptos para ensinar tudo aquilo que aprendemos.

Por isso, ovelhas do rebanho do Senhor, irmãos e irmãs, não desistam!! Estudem e meditem a e na PALAVRA, orem e perseverem, pois só assim acabaremos a carreira e guardaremos a fé!


Sejam guerreiros, atletas do Pai!


Shalom


Pastor Everson Tavares, escravo de Cristo.

 




Geração Livre, Geração de Boaz!


No livro de Rute temos uma grande lição para as nossas vidas. Vemos uma família sair da terra de Judá, terra onde tinha um único Deus, o Eterno, e que era a terra da promessa de Deus para aquele povo. Elimeleque, que significa "meu Deus é rei", deveria compreender que ele estava na terra onde o Eterno era o Rei daquela terra, e como Rei, apesar do momento de dificuldades e de fome, eles deveriam ficar ali e acreditar na provisão do Rei dos reis, o Senhor.

Ao sair de Judá para Moabe, terra cuja a adoração era voltada para o deidade chamada Camos, Elimeleque e Noemi, cujo nome significa "agradável", têm seus filhos Malom e Quiliom, que significam “enfermo” e “fraco”, casados com as Moabitas Ruth, uma versão curta de “retut”, amiga adorável, e Orfa, que significa "de trás do pescoço", ela virou as costas para Noemi.

Com a ideia de uma vida melhor, de segurança, eles saem da provisão de Deus para viverem uma novidade, um novo tempo, num novo lugar. Esta expectativa é frustrada com a morte de Elimeleque e seus dois filhos, deixando Noemi sozinha com suas duas noras, Rute e Orfa.

Como uma decisão pautada na visão natural pode nos levar a perder nossos filhos. A visão de uma vida melhor leva a agradável Noemi, desculpe-me pela redundância, a se declarar como amarga, mara em hebraico. 

Após o fracasso de uma decisão pautada na visão natural de que as oportunidades estão em terras distantes e estranhas, Noemi decide retornar para Belém de Judá, Casa do Pão do Louvor, onde o Eterno provê o sustento e a segurança. Nesta decisão, Noemi despede suas noras para elas procurarem o melhor para elas, Orfa vai embora em prantos e Rute, faz uma das mais lindas declarações de amor e lealdade: 

Disse, porém, Rute: Não me instes para que te abandone, e deixe de seguir-te; porque aonde quer que tu fores irei eu, e onde quer que pousares, ali pousarei eu; o teu povo é o meu povo, o teu Deus é o meu Deus; Rute 1:16

segunda-feira, 14 de janeiro de 2013