Total de visualizações de página

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Quando nos afastamos do Deus

Este foi o tema da ministração de ontem no CEI de Cabo Frio.



O tema foi baseado em Lucas 7:36-50, onde Jesus foi comer junto com Simão, o fariseu. Ali, naquele lugar, havia três pessoas em destaque:

Simão, o fariseu;
A pecadora, provavelmente uma prostituta;
E Jesus, o profeta, mestre e salvador.

Simão: Fariseu, conhecedor das escrituras, cumpridor dos preceitos, mandamentos e leis ensinadas na Torah. Praticante do judaismo biblico, cumpridor de suas tarefas. Andava com as mais altas classes de homens, afinal ele era uma fariseu.

A pecadora: não tem um belo passado, não há relatos sobre seu passado, na verdade. Mas podemos imaginar, ao compreender que ela era uma prostituta o quanto ela não se envolveu com outros homens, não sabemos se ela era uma prostituta de luxo ou do lixo, mas sabemos que em seu coração havia a necessidade de transformação. Quantas promessas não houviu esta mulher? Quantos ao se deitarem com ela por pura conveniência sexual não a deixaram logo após o ato sexual? Quantas noites e dias esta mulher não se olhava no espelho e via a trasfiguração daquela que um dia foi uma criança cheia de esperanças, sonhos e idealizações? Esta era a pecadora.

E Jesus, o mestre que nos ensina assentado à mesa. Que nos salva apesar de nossos delitos. Aquele que mostra como devemos agir diante dos pecadores, diante dos necessitados, diante de nós mesmos.

Estes três indivíduos nos revelam muito acerca de nós mesmos:

1º - Simão, o fariseu - Quantas vezes agimos de maneira semelhante a Simão? Quantas vezes nos posicionamos tão rigidamente e fundamentalistamente diante de certas situações? Não dá nem pra contar. Nos colocamos como conhecedores da Palavra e acima dela nos posicionamos como JUÍZES! Julgamos, julgamos e julgamos! Não exercemos o amor, tão pouco a misericórida! Acusamos, e em muitas vezes por já sabermos o que fazer e como fazer vivemos em um AUTOMATISMO RELIGIOSO FUNDAMENTALISTA que nos afasta de termos um genuino relacionamento de amor com Deus e com o próximo. Chamamos Jesus para participar de uma refeição conosco, só pra mostrar para todos que conhecemos Jesus. Só pra dizer que Jesus ''Foi lá em casa''.

Mas nos esquecemos de lavar Seus pés, esquecemos de nos curvar ante sua Santidade e Messianidade. Ante o Seu amor. Não lavamos os pés de Jesus. Pés que andam por terrenos sujos, empoeirados e aridos. Pés que andam por caminhos nada limpos em busca de pecadores, em busca de perdidos. Não lavamos os pés dAquele que anda trabalhando em prol dos desamparados, dos menos agraciados, dos mais pobres e até dos mais miseráveis.

Agimos e agimos muito como Simão. Acolhemos Jesus em casa e esquecemos de acolhê-lo em nosso coração. Esquecemos de olhar para os pecadores como Ele nos olhou e continua a olhar.

Em contra partida, temos a pecadora. Ela que se lançou aos pés de Jesus e ali, chorou, chorou e chorou. E com suas lágrimas, as quais não foram poucas, lavou os pés do nosso Senhor. E com seus próprios cabelos assim os secou. Como precisamos lavar os pés do Senhor! Lavar os pés com nossas lágrimas de profundo e verdadeiro arrependimento! Lágrimas de quem não tem nada pra ofercer a não ser a própria vida. Lágrimas que choram por nós mesmos e pelos outros que ainda não O viram. Lágrimas de um pecador!

Lágrimas de arrependimento. Lágrimas de fé!

Que venhamos a ser mais semelhantes a pecadora, no que tange o ARREPENDIMENTO e a HUMILHAÇÃO aos pés daquele que é Santo e pode nos santificar. E sejamos menos, ou melhor não sejamos como Simão, o fariseu, que acolhe Jesus em seu lar mas não em seu coração.

Quando nos afastamos de Deus perdemos a sensibilidade ao Espírito Santo. Nos tornamos frios, calculistas, duros e críticos. Nos tornamos Simão, o fariseu! Senhor, como eu estava me tornando Simão! Tinha o Senhor sentado ao meu lado à mesa, mas lavei o Seus pés! Tinha o Senhor sentado ao meu lado, mas não O tinha no meu coração. Mas por sua graça fui alcançado e me vi como uma alma pecadora necessitado de chorar aos seus pés.

Que sejamos menos Simão. Ou melhor, deixemos de ser Simão, o fariseu e sejamos mais semelhantes a pecadora, arrependida de seus atos, uma lavadora de pés. Sejamos humildes e curvemo-nos aos pés dAquele que nos lava não apenas os pés mas toda a nossa história.

Shalom


Everson Tavares, servo.



Nenhum comentário:

Postar um comentário